Corpo finito

Será que nada nunca vá mudar? Seu dia mais feliz parece cada vez mais longe, você nunca vai alcançá-lo sendo fraca como você é.
As lágrimas não adiantam de nada agora, elas saem queimando dos olhos e deixam seu rosto ardendo. Quando sua respiração parece alta demais, você só queria que ninguém te ouvisse, que ninguém olhasse pra você com pena ou curiosidade. Verdade é que você não queria ter levantado da cama, não queria ter acordado nesse dia.
Você não tem mais quem te rodeava, você se sente mais sozinha do que nunca. Talvez se importem de ir no seu funeral e seguir cada um sua vida adiante, exceto um ou outro que realmente se importam mas não entendem o que você vive a cada dia. Se cortar se tornou trivial, e te dizem coisas estúpidas como se isso você sua culpa. Tudo isso é minha culpa?
Que acabe logo por favor, porque já são quatro anos somados dia após dia, numa conta infinita que parece só acabar no dia em que eu acabar…

Seu último dia

A sensação se divide: a criança se sente livre, isenta do fardo pesado dos olhares julgadores diários; o adulto se preocupa com as contas a pagar, com o sonho da faculdade pública, com o que irá dizer a mãe.
Quatro meses antes do previsto, óbvio que você não iria estar preparada pra essas palavras. Frias, mascaradas de um sentimentalismo hipócrita, puro eufemismo.
Ah minha pequena, vai passar.. Tudo isso vai passar. Mais algum tempo e você estará com a vida que sempre quis, seu lindo quarto, na sua linda casa, sua família sem a crise, amigos, namorado, faculdade de medicina na USP…
Esse é só um degrau. Derrubaram você pequena.. Não chore, apenas sinta o alívio de poder ser quem você é! Usar seus lindos vestidos como a princesa que você é! Usar seu tênis de sempre, e seu rosto limpo, seu cabelo natural ( não, você não precisa se encaixar nesses padrões medíocres pra ser linda e amada).
Acabou por aqui, então é só isso..
Agora esqueça essas pessoas que só te colocavam pra baixo e te julgavam.. Esqueça. Sorria.